Uma geral sobre o Adobe Photoshop CS5

13 04 2010

_

Ontem, a Adobe lançou oficialmente os produtos da Creative Suite 5, que incluem Photoshop, Illustrator, InDesign, Flash Professional, Dreamweaver, Premiere Pro e After Effects, além de cinco pacotes: Master Collection, Design Premium, Design Standard, Web Premium e Production Premium.

De acordo com alguns sites, os preços de alguns produtos da linha CS5 nos Estados Unidos são:

  • Photoshop CS5: US$ 699 (Standard); US$ 999 (Extended), US$ 349 (upgrade).
  • Illustrator CS5: US$ 599 (completo), US$ 199 (upgrade).
  • Flash Professional CS5: US$ 699 (completo), US$ 199 (upgrade).

.

Adobe Photoshop CS5

No vídeo abaixo, a empresa demonstra uma das novas ferramentas do Photoshop CS5, a Content-Aware Fill.

Um trabalho que levaria horas de retoque, dura apenas alguns segundos, limpando a imagem de elementos não desejados utilizando apenas o “delete”. A Adobe diz que essa foi uma das mudanças mais requisitadas por usuários do software: remoção e alteração em menos tempo.

.

_

Conheça os novos recursos do software de edição de imagem Photoshop

Preenchimento sensível ao conteúdo
Considerado um recurso “mágico” da nova versão, o preenchimento inteligente permite, com poucos cliques, retirar elementos indesejados da foto e preencher o espaço automaticamente. A ferramenta ajusta luz e tonalidades para aumentar a sensação de realismo. Disponível em: Photoshop CS5 e CS5 Extended.

.

Distorção seletiva
Chamada de “distorção marionete”, essa função permite deslocar pontos de uma imagem se distorcer os elementos. No exemplo acima, a tromba do elefante foi curvada para dentro, e o movimento afetou levemente o restante do corpo do animal. Disponível em: Photoshop CS5 e CS5 Extended.

.

Selecionando áreas complicadas
Na nova versão, ficou mais fácil selecionar áreas “delicadas” sem acumular falhas ou comprometer a foto. A seleção automática contorna melhor elementos como fios de cabelo e outros detalhes sutis das imagens. O trecho em destaque mostra como aperfeiçoar o contorno da seleção no cabelo da modelo utilizando diferentes efeitos. Disponível em: Photoshop CS5 e CS5 Extended.

.

Correção de lentes
Distorções na foto e aparição de “vinhetas” são falhas que o novo Photoshop pretende corrigir com poucos cliques. Os ajustes são feitos levando em consideração o tipo de lente que foi utilizado na captura da imagem. Disponível em: Photoshop CS5.

.

Efeitos de pintura
A nova versão oferece uma ferramenta de pintura mais versátil que os filtros ”artísticos”. Você pode equilibrar a mistura de cores e escolher o tipo de pincel a ser utilizado para transformar fotos em quadros digitais. Disponível em: Photoshop CS5 e CS5 Extended.

.

Marcas em 3D
A tecnologia Adobe Repoussé facilita a criação de logotipos e ícones em 3D a partir de uma imagem comum. O menu traz ferramentas de distorção, deslocamento e preenchimento, entre outras opções. Disponível em: Photoshop CS5 Extended.

.

HDR mais fácil
Antes você precisaria juntar diversas imagens para ter uma foto HDR (high dynamic range) – técnica que permite combinar muitas versões de uma mesma imagem para manipular as variações de luz. Agora será possível conseguir esse mesmo efeito a partir de uma única imagem. A Adobe também promete uma ferramenta mais poderosa no geral. Disponível em: Photoshop CS5 e CS5 Extended.

.

Acho que só; só TUDO isso.

Anúncios




Internet se torna a 3ª maior mídia do mundo

13 04 2010

_

A Internet iniciou uma maré de sorte: na semana passada, ela ultrapassou as revistas em faturamento publicitário e chegou ao posto de terceira maior mídia em escala global.

O estudo, feito pela Zenith Optimedia, mostra que a internet conquistou US$55 milhões em todo o mundo, sendo 12,6% da verba publicitária do planeta.

Já no início de 2010, a Internet ultrapassou a marca de 0,9% prevista para o ano, crescendo 2,2%.

A pesquisa aponta que a web está se aproximando dos jornais (2º lugar no ranking) e da televisão (1º lugar), registrando faturamento publicitário de 39,4% e 23,1%, respectivamente. As revistas caíram para o quarto lugar, com 10,3%.

Há previsão de crescimento no faturamento publicitário das três mídias para 2012, onde a internet atingirá 17,1%, os jornais, 19,4% e a televisão, 40,6%.





Confiança nos amigos cai com redes sociais

8 04 2010

_

Pesquisa da Edelman mostra que confiança das pessoas nos amigos na internet sobre uma marca diminuiu pela metade em dois anos

Uma mantra diz que as redes sociais são uma maneira de os anunciantes contarem histórias autênticas e críveis a seus consumidores, cuja confiança em CEO´s, membros do governo e analistas de mercado está abalada. Mas de acordo com o último Barômetro da Confiança da Edelman, o número de pessoas que enxergam em seus amigos e parceiros como fontes confiáveis de informação sobre uma empresa caiu pela metade desde 2008, de 45% para apenas 25%.

Para Richard Edelman, presidente da Edelman, trata-se de um sinal dos tempos. “Os eventos dos últimos 18 meses assustaram as pessoas. Elas precisam ver as mensagens em lugares diferentes e a partir de diferentes pessoas, desde experts bem como empregados da empresa e amigos”, diz. “É um período de ceticismo. Então, se a companhia olha para o marketing boca-a-boca como solução, estão certas, mas ela precisa entender que esta não pode ser mais a única saída, mas sim uma parte da solução”, conclui.

Os consumidores estão descrentes de modo geral. A credibilidade da TV caiu 23 pontos percentuais e radio e jornais outros 20 pontos na comparação de 2008 com 2010.
Quando perguntadas se a informação sobre uma companhia parecia crível no caso de ela ser passada por “uma pessoa como você” (o chamado americano médio) o número caiu também. Apenas 39% acreditam que as mensagens ditas por consumidores eram confiáveis, contra 45% em 2009.

Por outro lado, a figura do CEO ganhou força na confiabilidade. A estratégia de levar o líder executivo para a frente da comunicação, algo feito pela General Motors com Ed Whitacre (e pela Toyota em um momento negativo de recall, com Jim Lentz) aumentou a confiança das pessoas no CEO, de 17% em 2009 para 26% neste ano. Também ganharam confiabilidade membros do governo (22% contra 27% neste ano), analistas do mercado financeiro (46% contra 52%), ONG´s (42% contra 44%) e acadêmicos (61% contra 64%).

Ou seja, o fato de os consumidores pararem de acreditar no que seus amigos e pessoas comuns dizem em testemunhais do produto ou empresa, há implicações significativas para anunciantes e redes sociais, bem como outras plataformas de marketing boca-a-boca.

Plataformas como Facebook e Twiiter permitiram às pessoas manterem círculos de associação casual mais amplos, o que pode ajudar a diluir a credibilidade das redes. Em outras palavras, quanto mais conhecidos a pessoa tem, mais difícil de confiar nele ou nela.

Fonte: M&M





Sete princípios do marketing viral

6 04 2010

_

viral-marketingjpg

1. Ofereça um produto ou serviço de valor para seus prospectores. Esse quesito baseia-se na oferta de produtos ou serviços gratuitos. Para instituições, pode ser colocado em prática de outra maneira, por meio de campanhas. Um exemplo é vender produtos que gerem renda à instituição e sensibilizar os receptores em relação à causa.

2. É preciso ser bem definido e de fácil transmissão. Os meios pelos quais a mensagem passa devem ser fáceis de serem replicados. Assim, é interessante utilizar e-mails e sites gratuitos. É importante que o conteúdo da mensagem seja simples e curto, para que não fique pesada.

3. Capacidade de crescer rapidamente. A mensagem deve ser retransmitida rapidamente para que, quando os usuários começarem a utilizar o serviço, possam promovê-lo e colocar em prática o marketing viral.

4. Comportamentos comuns. O ‘vírus’ deve causar um apelo às emoções humanas, especialmente no Terceiro Setor, gerando a vontade de passá-lo para frente.

5. Redes de comunicação já existentes. Aproveite as redes já existentes, como grupos de amigos, familiares e colegas de trabalho, que podem facilitar a transmissão de mensagens para um maior número de pessoas.

6. Recursos de terceiros. É possível colocar textos ou imagens em outros sites, por meio de parcerias. Alguns sites permitem que isso seja feito até gratuitamente.

7. Baixo custo. O ideal é que o único custo no marketing viral seja o da criação do que será transmitido. Quanto mais leve e divertido for, mais chances terá de ser replicado. Atualmente, há a estratégia de criar jogos interativos que prendem a atenção e divertem o receptor.





Tudo sobre o curso de “Publicidade e Propaganda”

24 03 2010

_

Publicidade e Propaganda

O consumo de produtos e serviços se deve, em grande parte, à estratégia de divulgação adotada pelas empresas e instituições para despertar o interesse das pessoas. Para isso, o profissional de publicidade e propaganda usa técnicas para criar e manter a boa imagem de produtos, serviços, empresas e pessoas. Ele trabalha com texto, sons e imagens. Tem de pesquisar muito sobre público-alvo, mídia adequada e formas de abordagem, estratégias de venda e de contato com o cliente. “Por ser uma das variáveis que movimenta a economia, a publicidade tem um importante papel”, afirma Paulo Gregoraci, presidente da agência W/Brasil, de São Paulo. “A rotina é dura. São muitas reuniões internas e com clientes e veículos de comunicação. Procuramos ter hora para chegar, mas nunca sabemos quando vamos sair do trabalho. O mercado é agitado e concorrido e o clima na agência reflete bastante isso. Quando o concorrente de um cliente lança uma campanha, por exemplo, precisamos bolar, com muita agilidade, uma estratégia de combate”, explica Gregoraci. O reconhecimento na área vem quando, além de ser comentada, uma campanha cumpre seu objetivo: estabelecer a marca ou elevar as vendas. O trabalho se divide em um tripé: atendimento (quem faz o meio de campo entre a agência e os interesses e as metas do cliente); criação (que bola as peças publicitárias); e mídia (que define o público-alvo, o meio de comunicação, o veículo, o dia e horário da divulgação – em caso de TV ou rádio – ou quais títulos de revista ou jornal em que as peças serão publicadas).

Teste profissional: Publicidade é a sua praia mesmo? Descubra

_

O mercado de trabalho

O mercado de publicidade e propaganda está estável para o bacharel. A área de criação sofre retração, pois é bastante concorrida e está saturada de profissionais. A parte de marketing está em ascensão. “Quem trabalha com comunicação para o mercado e com os novos meios e ambientes de comunicação e bases tecnológicas pode atuar em vários tipos de agências de comunicação, nos departamentos de marketing e comunicação de empresas em geral, em jornais e revistas, além dos fornecedores de produtos e serviços, como consultorias, institutos de pesquisa, produtoras de som e imagem, gráficas, empresas de web e organizadoras de eventos”, diz Luiz Fernando Garcia, diretor nacional da graduação em Comunicação Social da ESPM. As maiores agências estão concentradas em São Paulo, mas grandes empresas vêm expandindo seus negócios para outras regiões brasileiras e, com isso, abrindo mercados para agências de publicidade, sobretudo no Nordeste e no Centro-Oeste. O interior paulista também é promissor, uma vez que a região tem grande participação na economia do país.

Já o mercado de trabalho para o tecnólogo está atrelado às áreas de atuação para as quais são produzidas a publicidade. O segmento gráfico, por exemplo, está em baixa por causa do preço do papel. Quanto ao cinema, depende da liberação de verbas para a produção nacional. “Como é uma área operacional, e não de criação, é preciso que os setores que contratam o serviço estejam em alta. Mas, no geral, está estável, pois há trabalho sempre para o produtor publicitário”, diz Sidinei Tadeu Almeida dos Santos Guarda coordenador do curso tecnológico da Faculdade Drummond, em São Paulo (SP). Segundo ele, o tecnólogo encontra trabalho em rádios, canais de TV a cabo, ONGs, agências de publicidade e de eventos. São Paulo oferece as melhores oportunidades. “O Rio de Janeiro também é aquecido, pois conta com a Rede Globo e seus associados, que sempre apresentam demanda de trabalho”, finaliza Sidinei.

_

O curso

Há muitos cursos de bacharelado em todo o país. A teoria e a prática estão intimamente ligadas. A graduação é focada em propaganda, ambiente promocional, moda, esporte, cultura, varejo e internet. Disciplinas como fotografia, redação publicitária e computação gráfica fornecem as técnicas de criação. O aluno também é treinado nas diversas linguagens da propaganda – política, comercial e institucional. Matérias das áreas de administração e economia complementam currículo. É importante, por exemplo, saber como montar uma planilha de custos. As escolas costumam exigir um trabalho de conclusão. Na maioria delas, o curso de Publicidade é uma habilitação do bacharelado em Comunicação Social.

Duração média: quatro anos.

.

O curso tecnológico começa com disciplinas teóricas, nas quais o aluno vê fundamentos de comunicação, ética e língua portuguesa. A partir do segundo semestre entram as específicas, como criação publicitária, multimídia, planejamento de campanhas publicitárias e relações mercadológicas. É nessa etapa que o estudante aprende a trabalhar com as diversas mídias, como jornais, rádio e internet. A parte de produção é realizada em laboratórios especializados.

Duração média: dois anos.

_

O que você pode fazer?

Atendimento – Servir de elo entre a agência de publicidade e o cliente para levantar os dados que orientarão a campanha de divulgação de um produto ou de uma empresa.
Criação – Desenvolver campanhas publicitárias com base na análise de pesquisas sobre o mercado consumidor e o produto.
Gerência de produto – Administrar as ações de publicidade e de promoção de vendas de um produto.
Marketing – Planejar e desenvolver o produto ou serviço, estabelecendo estratégias de preço, distribuição e venda, desde a campanha até a aproximação com o público consumidor.
Mídia – Escolher os veículos de comunicação mais adequados para difundir uma campanha. Negociar a compra de espaço para anúncios em outdoors, jornais, revistas, TVs, rádios e internet.
Pesquisa – dados sobre as necessidades, o perfil e os hábitos dos consumidores. Avaliar o impacto das campanhas publicitárias sobre o público.
Produção – Fazer jingles, comerciais e anúncios em rádios, TVs, jornais, revistas, outdoors e websites.
Promoção de vendas – Elaborar estratégias de vendas. Desenvolver campanhas promocionais de diversos tipos de produto em restaurantes, supermercados e em outros pontos-de-venda.
_

O dia-a-dia de um profissional de Publicidade

_

Estudante passa um dia como publicitária


_
Fonte: Guia do Estudante




“A Hora do Pesadelo” interrompe intervalo comercial da MTV

24 03 2010

_

Nightmare Elm Street

Você pode reclamar quando um comercial interrompe o seu programa favorito, mas e quando um comercial interrompe um outro comercial?

Foi o que fez a agência Click 3X com três diferentes promos do remake de “A Hora do Pesadelo”. Freddy Krueger aparece de repente em cenas do filme no meio do intervalo da MTV nos EUA, e depois tudo volta ao normal como se nada tivesse acontecido.

“A Hora do Pesadelo”, versão 2010, deve estrear no Brasil no dia 7 de maio.

Veja em:

Fonte: Brainstorm #9





Atenção

22 03 2010

_
por @aalexandree
_

Como separar o joio do trigo? Ser objetivo sem cansar seu público-alvo? Como ser eficaz sem desperdiçar a verba do cliente? São algumas questões que permeiam o consciente e o subconsciente do “publicitariado” coletivo.

Todos sabem (ou deveriam saber) de cor e salteado que toda pessoa é bombardeada por milhares de mensagens publicitárias o dia todo na tv, no rádio, no trajeto de casa para o trabalho, no próprio trabalho, na internet, no jornal, na revista, no banheiro, enfim, vocês já entenderam; não bastasse a quantidade, ainda é preciso levar em conta a qualidade.

O consumidor não é bobo, sabe o que quer. Hoje é vacinado, adestrado e repudia a má exposição publicitária. É via de regra que o anúncio mal pensado não tenha uma segunda chance de impressionar e recuperar seu espaço na mente do consumidor. Não bastasse a qualidade ainda é preciso levar em conta a viabilidade.

Para que raios um flamenguista recebe um newsletter com ofertas exclusivas sobre o maior arqui-rival, o vasco? Não sendo o bastante, fosse uma linha de casacos de lã do clube, sendo enviadas no pico do verão e para “potenciais” consumidores da Região Nordeste. O que parece absurdo aos olhos de quem vê acontece com frequência deixando transparecer o amadorismo e/ou despreparo do setor de marketing de várias companhias.

É necessário que o consumidor seja analisado, vivenciado e pormenorizado. Um publicitário vegetariano não saberá o que fazer com um job do Açougue Sangue de Boi. O publicitário ou profissional de marketing deve conhecer plenamente o público que tem em mãos, saber o que oferecer, em qual hora oferecer, como oferecer, com que preço, onde oferecer ou simplemente não oferecer.

A Editora Abril liga quinzenalmente em horários alternados (almoço e jantar) me oferecendo descontos e pacotes exclusivos de assinaturas de suas publicidações que eu não quero e não me interessam no momento. Me ligam por ter sido um assinante da Revista Info no ano de 2004. Já expliquei o motivo do cancelamento trocentas vezes e tento não xingar a atendente que já deveria ter me classificado no robusto banco de dados da empresa como desinteresse total do usuário. Evitariam o meu descontentamento, o meu testemunho aqui e economizariam seu tempo e dinheiro preciosos com ligações desnecessárias em horários sagrados.

São questões básicas e essenciais que passam batidos. Mínimos detalhes que são esquecidos e milhares de clientes insatisfeitos em apenas alguns minutos. Como o próprio título sugere: Atenção.

_____

Siga o Ciclo Publicidade no twitter:
@blogciclo